sábado, 3 de outubro de 2015

Vitrola Crosley CR6017A-MA

Acervo pessoal
De uns anos para cá vivemos o "renascimento" ou "febre" do vinil. Por conta disso artigos do gênero são cada vez mais procurados e o mercado se aproveitou da situação para inflacionar os preços de discos, players e acessórios. Para quem tem um bom poder aquisitivo talvez isso não seja um problema, mas para aqueles que são amantes da boa música e tentam conciliar o gosto com a batalha da sobrevivência do dia-a-dia, conhecer novas opções relativamente baratas pode ser a solução procurada. É aí que acredito se enquadrar a marca Crosley.

Fiquei sabendo da Crosley pela Internet. Aparelhos bonitos com visual retrô. Mas será que são bons ou ao menos razoáveis? Pesquisei bastante, porém não consegui achar nenhuma resenha honesta. Muitas elogiosas demais e outras críticas demais. Ano passado aproveitei a promoção da Black Friday e adquiri a minha vitrola na loja online do Walmart pela metade do preço que estão cobrando na data dessa postagem (confira aqui). Depois de quase 1 ano de uso acredito estar habilitado para fazer uma resenha sobre o produto e quem sabe ajudar outras pessoas a decidir se vale ou não a pena adquiri-lo.

Aspectos Físicos

Ela é bem compacta e leve. Suas medidas são:



Largura:
27,00 cm
Altura:
10,00 cm
Profundidade:
35,00 cm
Peso:
2,27 kg

Sua frente e bandeja imitam alumínio escovado e laterais e traseira emulam madeira. Não sei qual é o verdadeiro material de fabricação, mas acredito que seja algum tipo de compensado. É bonita e com bom acabamento. Pensando na questão decorativa ela é bastante agradável e vai bem na sala de música ou de estar. Na frente possui 3 botões: sintonizador de AM e FM, volume e a chave seletora de 4 posições (phono, AM, FM e auxiliar), uma entrada auxiliar e outra para fones de ouvido, além de um alto-falante embutido. Na traseira encontramos a entrada para a fonte de alimentação (inclusa. Apesar de informar que acompanha uma fonte bivolt com o produto, a minha veio com 2 de tamanhos diferentes) e um painel de plástico preto onde encontramos as saídas para 2 caixas de som (não inclusas), saída RCA e chave seletora para usar o falante do aparelho ou externos. Na bandeja temos o prato, o "borrachão" (que na verdade é feito de feltro), a agulha, o braço, um adaptador para discos compactos, a chave "auto stop" que aciona o desligamento automático da rotação do prato ao término do disco e a alavanca para levantar/abaixar a agulha e uma chave para definir a velocidade de rotação (33, 45 e 78 RPM). Os materiais dão a impressão de serem frágeis e exigem cuidado no manuseio.


Sua tampa acrílica não possui dobradiças e deve ser retirada para colocar o LP. O bolachão de 12" excede o tamanho da vitrola de modo que é impossível rodar um disco desse com a tampa colocada. Senti a falta de algum Led, tipo ligado/desligado ou de identificação de função (phono, aux, FM...)

Funcionamento e Conectividade

É uma vitrola manual, ou seja, o braço não inicia ou retorna automaticamente, é necessário manuseá-lo. A alavanca levanta imediatamente e abaixa suavemente o braço. O prato tem 3 arrebites que o borrachão não consegue anular, isso faz com que o disco gire de forma levemente irregular dando a impressão de que o vinil está um pouco ondulado. Apesar disso, a agulha não fica pulando, mas acredito que quando ela começar a ficar velha, essa "falha" vai gerar alguns skatings. O contra-peso da agulha não permite regulagem e esse fato motivou as maiores críticas ao aparelho. Muitos dizem que o peso de fábrica é leve demais, o que faz com que a agulha pressione excessivamente o LP causando seu desgaste e possível "destruição". Custa-me crer que a Crosley tenha desenvolvido um produto tão mal feito que danifique os LPs. A falta de regulagem do contra-peso é sem dúvida um inconveniente, mas daí achar que o peso definido no projeto seja incorreto a ponto de estragar os discos, me parece ser algo improvável. Até agora, com quase 1 ano de uso diário do equipamento, não verifiquei nenhum dano em qualquer um dos meus vinis.


A vitrola foi desenvolvida para uso independente, ou seja, ela não precisa ser acoplada a nenhum outro equipamento para funcionar e nem de caixas de som, pois, como vimos, ela já vem com um falante embutido. Entretanto ela permite ser ligada a outros equipamentos por meio da entrada auxiliar (smartphone, IPods, etc) e da saída RCA (potência, receiver, micro-system, etc). Essa dupla característica: ser autossuficiente e ao mesmo tempo permitir ampla conectividade, é uma das principais vantagens que vejo nesse Crosley.

Qualidade do áudio e conservação

Se usada independentemente, a vitrola é mono. O auto-falante embutido não racha o som por mais alto que o volume esteja. O que não quer dizer muito, pois o volume máximo é bem fraco e serve apenas para ambientes pequenos. Por outro lado, se acoplarmos caixas de som, teremos um som estéreo limpo e de muito boa definição. A potência melhora um pouco, mas a principal vantagem de acoplar caixas é a melhoria considerável na fidelidade sonora.

O FM funciona bem e necessita de ajuste manual milimétrico para sintonizar as rádios dada a pequena distância no potenciômetro para as frequências. Acompanha uma antena embutida de FM (um fiozinho). O AM não é muito bom pois funciona sem antena (e não dá pra incorporar uma), sendo assim, a qualidade da recepção do sinal vai depender exclusivamente do local onde está o aparelho.

Como a audição de LPs de 12" exige que o aparelho esteja destampado, a incidência de poeira no vinil e na agulha pode ser bastante acentuada dependendo de onde está instalada a vitrola. Isso implica que ambos devem ser limpados regularmente antes e após o uso.

Meu Set

Uso minha Crosley acoplada a um par de caixas de som Gradiente de 2 vias e amplifico o som do meu mini gravador K7 através da entrada auxiliar. Para isso utilizo um cabo P2 de ótima qualidade que acompanha a vitrola (um extra bem interessante). Pretendo futuramente anexar um receiver para amplificar o som da vitrola e substituí-la por outra não amplificada, mas isso por enquanto não deve acontecer.


Veredito

No geral acho que é um produto bastante razoável, mas não posso recomendá-lo para todo mundo. A meu ver acho que essa vitrola é mais indicada para dois tipos específicos de público:

1- Para aqueles que querem ter um belo aparelho mais para fins decorativos, para eventualmente rodar alguns discos sem grandes pretensões (mesmo nesse caso recomendo que um par de caixas seja incorporado ao sistema);

2- Para quem não tem um sistema de som completo e precisa de um aparelho que funcione sozinho.

Para aqueles que, como eu, não tem um sistema completo, mas que pretendem um dia ter, esse equipamento tem indicação apenas temporária - é um bom "quebra-galho" - se for possível encontrar uma boa oferta por ele, claro. Dá para curtir um LP numa boa enquanto um sistema "de verdade" ainda é inviável.

Um comentário:

  1. Alto-falantes externos poucos ohms deve ser? Eu tenho dois alto-falantes de 6 ohms, eles servem?

    ResponderExcluir