sábado, 31 de outubro de 2015

Guia do colecionador - Cuidados e conservação

Foto da internet

Caros amigos leitores, antes de qualquer coisa, acho necessário deixar uma coisa bem clara: não estou aqui estabelecendo uma verdade ou afirmando que quem pensa diferente não é um colecionador. Mesmo porque posso perfeitamente mudar de opinião no futuro baseado em mais experiências e na troca de ideias com os amigos. Boa leitura!

O guia foi dividido em várias postagens temáticas. Elas poderão ser acessadas através do menu "Opinião" localizado abaixo do título do blog conforme forem sendo publicadas. Os temas escolhidos seguem abaixo e sua ordem de publicação não será necessariamente como exposto. Fique a vontade para opinar, criticar, corrigir ou acrescentar e boa leitura!

Ideal
Mídias e formatos
Cuidados e conservação
Equipamentos e ambiente
Buscas e compras
Exposição e compartilhamento
Empréstimos, doações e trocas
Apreciação
Conhecimentos

Cuidados e conservação

Foto da internet

Não basta ter, tem que cuidar. Essa é uma obviedade, mas muitos colecionadores negligenciam essa parte. Os motivos são vários: falta de tempo, desleixo, falta de conhecimento e até falta de grana. Além dos cuidados diretos com as mídias, há também que se pensar na forma e no local de acondicionamento.

LPs guardados na vertical
Cada mídia pede um tipo de cuidado. Os LPs devem ser lavados com água e sabão (detergente neutro) de tempos em tempos e deixados para secar naturalmente, ou seja, sem o uso de panos. Antes de cada utilização na vitrola, um pano seco e macio é recomendado para retirar o pó, assim como a limpeza da agulha da vitrola, só que essa com um pincel macio. Deve-se evitar encostar os dedos na parte gravada e, dependendo do disco (raridade ou antiguidade) o uso de luvas é recomendado. Após ouvidos, os discos devem ser guardados em suas respectivas embalagens e estas embalagens (capas) devem possuir os plásticos externo e interno. Muitos discos usados vêm sem os plásticos, por conta disso é necessário ter em casa uma reserva de plásticos extras (são encontrados em lojas especializadas em LPs e alguns sebos). Os discos devem ser guardados completamente na vertical ou 90 graus, pois qualquer outro ângulo pode haver o risco de entortá-los ou empená-los. O acúmulo muito grande de discos na mesma prateleira não é indicado, pois dificulta o manuseio. Prateleiras sem portas podem facilitar o acúmulo de poeira, por outro lado, prateleiras fechadas podem favorecer a presença de mofo. Para saber qual seria a melhor opção para o seu caso é necessário conhecer o ambiente em que a estante ficará, se for um local úmido use prateleiras sem portas, se houver muita poeira, opte pelas fechadas. Colecionadores mais exigentes podem até climatizar a sala artificialmente para melhor conservar os discos.

Foto da internet
CDs, DVDs e principalmente BDs são bem mais resistentes que o LP, mesmo assim alguns cuidados também são necessários. É importante sempre retirar o pó das mídias antes de executá-las. Apesar dele não deteriorar a mídia (ao que parece), o pó acaba com o leitor e demais peças do seu player. Para fazer isso utilize um pano seco e macio, mas não esfregue o pano na mídia pois as partículas de poeira podem riscá-la! Utilize o pano como se fosse um espanador. Guarde as mídias em suas respectivas embalagens e com plásticos externos (principalmente as caixas de CDs. DVDs e BDs não vejo muita necessidade, salvo os boxes de papelão). E lembre-se: nada de "dedão" nas mídias! Utilize sempre as bordas e o miolo.
Fita embolorada
As fitas VHS e K7 são as que exigem os maiores cuidados e dão muito, mas muito mais trabalho para limpar. O maior inimigo dessas mídias é o famigerado bolor, portanto é terminantemente proibido armazenar essas mídias em locais úmidos. Climatizadores e desumidificadores são ferramentas bastante úteis contra o mofo, se puder, faça uso deles! Se as fitas embolorarem, jamais as coloque em algum player pois o estrago será imediato dos cabeçotes do aparelho. No mínimo ficarão sujos e prejudicarão a qualidade da execução do conteúdo da fita e no máximo danificarão o aparelho. É possível limpar as fitas, mas é tão complicado que eu vou deixar um vídeo explicando.


Por conta da necessidade de todos esses cuidados e também para evitar que se percam, sejam roubados ou que sofram danos pelas intempéries, não recomendo que os itens da coleção saiam de casa para passear.

foto da internet
Os players também precisam de cuidados para aumentar sua vida útil. Os mais antigos pela sua própria história de uso (peças como polias, correias, cabeçotes, agulhas e etc. sofrem desgaste com o tempo) e os mais novos por serem em geral fabricados com materiais frágeis (são concebidos para serem descartáveis). Se você não tiver conhecimentos de eletrônica ou mecânica, de fato não haverá muito o que fazer, mas o mínimo necessário a ser feito não requer muitos conhecimentos e deve ser feito regularmente, que é eliminar o pó e a umidade. Um outro cuidado simples mas que muitos deixam de fazer é não empilhar os aparelhos diretamente um sobre o outro. Primeiro para evitar os riscos na carcaça. Segundo, porque muitos aparelhos que geram bastante calor (como receivers e potências) precisam dissipá-los e o meio que usam pra fazer isso é através de furos ou saídas de ar localizados geralmente em sua tampa superior. Como esses aparelhos geralmente são os mais pesados, é comum que no empilhamento eles fiquem por baixo dos outros. Isso bloqueia as saídas de calor e pode queimar o equipamento. O ideal é não colocar nada sobre os furos, nem toalhinha bonitinha. Terceiro, para que o peso de um aparelho não force o outro. Uma solução interessante é o uso de racks que permitam o aparafusamento dos aparelhos, o que faz com que haja sempre uma distância entre um e outro além de impedir que o peso de um equipamento recaia sobre o outro. Outra seria utilizar algum móvel com vários compartimentos independentes.

Foto da internet
Não estique demais os cabos quando interligar os aparelhos e mantenha as caixas acústicas a uma boa distância do toca discos pois a vibração das caixas podem ser captadas pela agulha e prejudicar a qualidade do som, mas isso é tema para um próximo tópico.

A organização do acervo deve obedecer algum critério, seja ele qual for. Isso permitirá o rápido acesso a algum item da coleção. Os mais comuns são ordem alfabética de artistas, ordenação por estilos ou até uma combinação dos dois. Os critérios podem ser vários, só não pode deixar sem critério nenhum.

Até a próxima!

sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Guia do colecionador - Mídias e Formatos


Caros amigos leitores, antes de qualquer coisa, acho necessário deixar uma coisa bem clara: não estou aqui estabelecendo uma verdade ou afirmando que quem pensa diferente não é um colecionador. Mesmo porque posso perfeitamente mudar de opinião no futuro baseado em mais experiências e na troca de ideias com os amigos.

O guia foi dividido em várias postagens temáticas. Elas poderão ser acessadas através do menu "Opinião" localizado abaixo do título do blog, conforme forem sendo publicadas. Os temas escolhidos seguem abaixo e sua ordem de publicação não será necessariamente como exposto. Fique a vontade para opinar, criticar, corrigir ou acrescentar e boa leitura!

Ideal
Mídias e formatos
Cuidados e conservação
Equipamentos e ambiente
Buscas e compras
Exposição e compartilhamento
Empréstimos, doações e trocas
Apreciação
Conhecimentos


Mídias e formatos

Todas as mídias são válidas e incomparáveis. Todas têm suas especificidades, características próprias, proporcionam experiências distintas e retratam sua época. A maneira como a música é gravada em um LP difere da de um CD ou K7. Todas elas têm uma concepção estética própria e que podem ser valorizadas e apreciadas. A experiência de ouvir um CD é bastante diferente daquela que passamos ao ouvir as outras mídias e vice-versa. Apreciar mais um determinado tipo em comparação aos outros é algo totalmente subjetivo. Por mais que existam características técnicas que "na ponta do lápis" ou na tela do osciloscópio possam garantir alguma superioridade de uma mídia sobre a outra, a experiência é sempre humana e individual.

Há sempre que se considerar qual foi a mídia escolhida originalmente pelos músicos para registrar seus trabalhos, pois toda a produção e gravação leva em conta as características dela. Isso não significa necessariamente que uma remasterização ou transposição de uma mídia para outra deixará o resultado final pior, mas certamente diferente. Rolo, LP, K7, VHS, DAT, CD, DVD, BD e etc são bacanas e podem gerar belas e prazerosas coleções. Optar por uma em detrimento das outras é uma escolha pessoal válida, mas que priva o colecionador de ampliar sua própria experiência.


Já sobre os formatos a coisa é diferente. Fora os originais, penso que os demais não tem valor colecionístico. Os arquivos MP3, FLAC e outros, entretanto, têm sua utilidade. Um item de coleção não deve sair de casa, nem para passear de carro. Devem ir do local de armazenamento para o respectivo player e dele de volta ao local de armazenamento. Sendo assim, esses formatos podem ser aproveitados para levar as músicas com você, ou seja, no celular, Ipod, pen-drive, CD-R e etc. Outro uso interessante é quando você quer presentear ou divulgar músicas aos amigos (falarei sobre emprestar itens em outro tópico). Finalmente, e talvez o mais importante, eles servem pra que conheçamos as músicas ANTES de adquirir as mídias físicas. Não acho que um colecionador deva sair por aí comprando tudo, deve saber antes minimamente o que está adquirindo. Para tomar esse primeiro contato com as obras, não acho bacana baixar músicas ou discos - embora confesse que já fiz muito isso no passado -, para esse fim, os serviços de streaming como o Spotfy, Youtube e outros servem satisfatoriamente e hoje em dia são extremamente acessíveis a todo o colecionador interessado, logo não há mais a necessidade de baixar. Por outro lado, ter um acervo de arquivos MP3, FLAC ou outro mais interessante no computador pode ser bastante conveniente, mas não de arquivos baixados e sim conversões de arquivos oriundos dos itens originais da sua própria coleção.

Até o próximo tópico!

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Ian Christe - Heavy Metal A História Completa

Acervo pessoal
Tradução Milena Durante e Augusto Zantoz. - São Paulo: ARX, Saraiva, 2010.
Páginas: 480
Orelha: Andreas Kisser
Autor: Ian Christe é jornalista e músico nas horas vagas. Escreve para as principais publicações sobre música dos Estados Unidos, como a revista especializada em Heavy Metal Kerrang!, e as voltadas para a cultura pop, como Wired e Spin.

"Para os desajustados e os esperançosos" Assim é a dedicatória do livro. "A história completa do gênero mais pesado de todos os tempos é contada nesse livro - desde os primórdios até os desdobramentos do estilo nas décadas seguintes. Repleto de fotos, o livro também traz listas dos melhores discos de cada década e das melhores músicas de cada subgênero (glam, death, melódico), datas importantes, segredos de bastidores... enfim, a memória e o futuro do metal!" (retirado da contracapa).

Fotos do miolo do livro em papel de qualidade
Linha do tempo headbanger
Datas de acontecimentos importantes em cada capítulo
Listas, listas e mais listas. Como, por exemplo, os 25 melhores discos de heavy metal de todos os tempos:


AC/DC - Back in black
Angel Witch - Angel Witch
Bathory - Under the sign of the black mark
Black Sabbath - Black Sabbath
Carcass - Heartwork
Celtic Frost - To mega therion
Destruction - Infernal Overkill
Dream Death - Journey into mystery
Emperor - In the nightside eclipse
Exodus - Bonded by blood
Holy Terror - Terror and submission
Immortal - Battles in the North
Iron Maiden - Killers
Judas Priest - Unleashed in the East
Kreator - Terrible certainty
Mercyful Fate - Melissa
Metallica - Ride the lightining
Morbid Angel - Formulas fatal to the flesh
Mötley Crüe - Shout at the devil
Motörhead - Overkill
Napalm Death - Fear, emptiness, despair
Rainbow - Rising
Saxon - The eagle has landed
Slayer - Hell awaits
Voivod - Dimension hatross
Possui todos esses discos em sua coleção? Falta algum? Já ouviu todos? O que achou? E da lista?

Já leu o livro? Tem também?

Comente conosco!!

sábado, 24 de outubro de 2015

The Alan Parsons Project - Gaudi

Acervo Pessoal
Décimo álbum da banda de rock progressivo The Alan Parsons Project, Gaudi é mais um trabalho conceitual do grupo. Nesse, as faixas são inspiradas na obra do famoso arquiteto Antoni Gaudi, especificamente em sua arte mais famosa: La Sagrada Família.

Gaudi

La Sagrada Familia
No verso da capa encontram-se algumas imagens dessa incrível catedral.

Verso

O Disco foi lançado em 1987 nos EUA pelo selo Arista da gravadora RCA. No Brasil, a fabricação foi da BMG Ariola e teve lançamento simultâneo.

selo
Lado A

1- La Sagrada Familia
2- Too late
3- Closer to heaven

Lado B

1- Standing on higher ground
2- Money talks
3- Inside looking out
4- Paseo de gracia (instrumental)

Alan Parsons era um famoso produtor musical (The Dark Side of the Moon do Pink Floyd é um de seus trabalhos mais conhecidos) e tecladista que resolveu montar a própria banda ao final da década de 70. Ainda hoje o grupo está na ativa fazendo shows. É possível adquirir seus discos tanto em vinil quanto em CD pelo site oficial da banda: http://www.the-alan-parsons-project.com/



Você também possui esse LP? Verifique se sua edição contém todos os itens (clique nas fotos para ampliar). Não possui e pretende adquirir um dia? Confira se a edição que achou no sebo está completa!

Você tem essa edição em uma versão diferente dessa? A sua possui mais itens? Compartilhe com a gente! Fale de sua edição nos comentários!

terça-feira, 20 de outubro de 2015

U2 - Boy

Imagem da Internet
Na data dessa postagem, há 35 anos atrás (20/10/1980), o U2 lançou seu debut: 'Boy'. Esse álbum também foi o meu debut no mundo dos CDs. Embora já tivesse-o em vinil, assim que consegui comprar meu primeiro CD player, adquiri junto dois álbuns nessa nova mídia: Boy do U2 e The X-Factor do Iron Maiden (que ficará para outra postagem). O vinil infelizmente não tenho mais (até o momento, pois pretendo garimpá-lo o mais rápido possível).

Eu adquiri meu exemplar na loja de discos do meu amigo/vizinho/senhorio Keizo (cadê você cara?? Saudades man!) na época em que morava na cidade de Itanhaém - SP, um pouco antes de conhecer minha futura esposa Flávia, provavelmente em 1995 ou 96. O cara tinha uma loja/locadora de CDs bem bacana e seus itens na maioria eram importados. Por conta disso, minha edição é uma remasterização estado-unidense, o que é bacana, pois por lá ela foi lançada com uma capa alternativa que provavelmente deve tornar a edição rara (talvez). Isso aconteceu porque os produtores ficaram com receio de serem acusados de apologistas da pedofilia se lançassem por lá a capa original com um garoto sem camisa...

Minha edição
encarte
encarte
Como a foto mostra, meu CD já está bastante deteriorado, mas por enquanto ainda roda liso e sem problemas.

Cadê a edição comemorativa de 35 anos Island??? Enquanto ela não sai, a melhor edição do mercado hoje é a Deluxe Edition lançada em 2008.

Faixas

1- I will follow (primeiro hit da banda)
2- Twilight (minha faixa favorita do álbum)
3- An cat dubh
4- Into the heart
5- Out of control
6- Stories for boys
7- The ocaean
8- A day without me
9- Another time, another place
10 The eletric CO
11- Shadows and tall trees



Você também possui esse CD? Verifique se sua edição contém todos os itens (clique nas fotos para ampliar). Não possui e pretende adquirir um dia? Confira se a edição que achou no sebo está completa!

Você tem essa edição em uma versão diferente dessa? A sua possui mais itens? Compartilhe com a gente! Fale de sua edição nos comentários!

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Al Jarreau - In London

Acervo pessoal
É difícil categorizar com precisão esse grande cantor. Jazz, Smooth, Pop, Soul e R&B são alguns dos estilos dominados por esse mestre.

'In London' (1985) é seu primeiro álbum "ao vivo". Foi gravado na Wembley Arena em 1984 e mostra a qualidade musical desse front man e de sua primorosa banda. Antes de lançar esse álbum, Jarreau havia gravado outros 9 em estúdio. Sua discografia oficial conta com 21 álbuns até o momento e esse é seu 10º.

A prensagem brasileira que possuo foi feita pela BMG Ariola sob licença da WEA (Warner) e foi comprada no Carrefour por CZ$ 215,00 (cruzados). Seu lançamento no Brasil foi em 1987.

Verso
Lado A

1- Raging waters
2- Black and blues
3- I wil be here for you
4- Let's pretend

Lado B

1- High crime (faixa que lhe rendeu uma indicação ao Grammy de "melhor cantor de R&B" em 1986)
2- Roof garden
3- Teache me tonight
4- We're in this love together


Você também possui esse LP? Verifique se sua edição contém todos os itens (clique nas fotos para ampliar). Não possui e pretende adquirir um dia? Confira se a edição que achou no sebo está completa!

Você tem essa edição em uma versão diferente dessa? A sua possui mais itens? Compartilhe com a gente! Fale de sua edição nos comentários!